Todas as árvores são lágrimas imóveis.
Tangidas por uma imobilidade íntima e obscura, cristais, vertem pelas raízes humores fétidos, oblíquos à sua natureza maternal.
Escamam suores, exalam resinas, bailam quietas no lugar onde depois de tudo escrevem poemas de carvão
Cânticos obscenos de amor animal.

Leonardo de Sousa Lima

You may also like

Back to Top